Na Cabeceira: A Culpa é das estrelas


Olá, como você está? Tudo Bem?

Eu estou ótima, espero que com vocês as coisas estejam simplesmente magníficas. 




O meu primeiro livro do ano e também do Na cabeceira    aqui no blog é o que falei no post de ontem (Desculpas pelo sumiço+ Novidades no blog).

E já vou avisando: Este post contém Spoilers. Portanto, quem ainda não leu não fique bravo comigo Okay?









Sinopse: Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.



Minha Opinião, Prós e Contras: Se alguém me pedisse para descrever todo o livro eu sinceramente não conseguiria conter as lágrimas, da mesma forma que aconteceu quando li os últimos capítulos de A culpa é das estrelas. Quando estava lá pela parte em que Hazel vai para Amsterdã conhecer o seu escritor favorito e descobre que ele é só um velho bêbado, escritor de um sucesso só. Até aí tudo bem, vemos que tá com um ponto de realidade a história e coisa e tal. Mas o que me revolta mesmo é quando descubro que alguém (Não falo quem, você que vai ter que dar um tiro no escuro e adivinhar) que é o meu personagem favorito morre, deixa uma carta e simplesmente MORRE. Como assim? O que vem depois? E a outra personagem o que acontece? Simplesmente me decepcionei, fiquei tão decepcionada quanto a Hazel Grace e Augustus Waters em relação ao final do livro Uma Aflição Imperial.

Porém, tem os lados positivos sabe né. O livro é cheio de lições de moral e vida, lições essas que me deixaram tipo: "Até que ajuda uma frase dessas de vez em quando" "Poxa, isso é uma pu** de uma verdade".







Tem tambem o famoso "Ok?" "Ok." Que nada mais é que um simples momento, é aquela palavra que define relacionamentos, alguns casais usam palavras com significados totalmente diferente do real. E uma coisa que me atrevo a dizer é que nunca saberemos o verdadeiro significado do "Ok" de Hazel e Augustus.





Não fiquem pensando que eu odiei o livro, a verdade foi que eu só não gosto dos finais tristes. Sou bem criança SIM igual ao 'Baskett' de O Lado Bom da Vida. 



Nota Final: 8 de 10




Tecnologia do Blogger.