O que é amar, amor? Texto III

E aí gente linda, como vocês estão? Eu estou super bem.

Ando meio inspirada ultimamente, o que me faz escrever de uma forma frenética, e como já disse vou ir postando para vocês alguns deles. O de hoje eu recomendo que primeiramente dê play na música abaixo:




Pronto? Xuxu beleza? Espero que gostem, esse foi um que escrevi bem rapidinho entre um café ou outro durante a madrugada, então se prepara que lá vem mais um texto (na verdade nada explicativo) sobre o que é o amor.



Dia desses me perguntaram o que é estar apaixonada. O que é esse tal de amor, como é senti-lo.

Não sei bem o que dizer, nem sei como explicar exatamente como é estar apaixonado, mas posso dizer que dá pra saber mais ou menos quando se sente uma coisa estranha bem lá no fundo do peito por aquele cara idiota que te faz sorrir dos problemas sérios, aquele cara que tem um sorriso enorme e uns olhos que você adora. Aquele cara que te faz sentir que tem algo faltando quando estão distantes, que ri do seu sotaque, quando você puxa o “erre”, e ele nem percebe que fala quase cantando, meio paulistano misturado com carioquês “mash como assim não extou entendendo!? ”. Aí você acha que isso já é estar apaixonado, mas já virou amor e você nem percebeu. E o que é o amor? Amor e amar é nada mais nada menos do que paixão, é paixão intensa, paixão vezes paixão, paixão + paixão, paixão elevada a milionésima potência vezes paixão somada ao infinito, é fórmula matemática gravada no seu DNA e enviada pro coração. Pode vir com um pouquinho de dor e ciúmes, mas sabe ser muito bem compensado por paixão e desejo, vontades e prazeres. Já é quase o ar que você respira, só que mais puro, mais limpo, sem todas aquelas substâncias desnecessárias que inalamos dias e dias sem nem perceber. 

Amar alguém é algo quase que inexplicável, as palavras parecem se esconder quando queremos descrever esse sentimento. Tem aquele amor à distância, que é a coisa mais sofrida que existe, mas é também a melhor, entende? Sempre que se veem é como se fosse a primeira vez que se encontram, são tantas as vontades e os desejos que nem todo o tempo do mundo é capaz de saciar os dois apaixonados. Mas assim é bom, porque sabem que sempre terão um ao outro, em algum lugar do mundo um estará olhando pelo outro, nem que seja em uma conversa ‘rápida’ de três horas no Skype. Tem também aquele amor que sempre temos ao nosso lado, quase morando na casa um do outro, é perfeito. 7 brigas por dia é pouco, mas uma noite abraçados ou dormindo de conchinha já é o suficiente para se perdoarem e dizer que foi idiota em ter começado uma discussão boba por um assunto bobo e aleatório, como o porquê da caixa postal ser no nome dela e não no dele e aí começam uma nova discussão para provar que se está errado, mas não importa. Isso é amor. Amor é tudo, amar é nada e vice-versa. 

Para se amar não precisa estar perto, mas também não precisa estar longe. Se quiser amar, ame sem se preocupar com consequências, amar é tudo, o amor pode ser quase nada. Amar e não ser correspondido pode ser mais que dolorido, mas jamais desista de amar. O amor ás vezes, só quer ser mais amado, então não desista. Mesmo que não saiba o que é amor, continue fazendo e sentindo o que está fazendo e sentindo, uma hora ele bate à porta e você não quer estar com cara de maus amigos quando ele chegar. Amar pode ser doído, mas também pode ser recompensa(dor).

-Ane.


Contem-me o que acharam do texto nos comentários! 


XOXO
Anelle Siqueira

Tecnologia do Blogger.